Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Notícias 2017 > Ibama e MMA lançam sistema nacional de controle florestal
Início do conteúdo da página

Ibama e MMA lançam sistema nacional de controle florestal

Publicado: Quinta, 09 de Março de 2017, 20h50 | Última atualização em Quinta, 14 de Setembro de 2017, 11h23
Lançamento do Sinaflor na sede do Ibama, com a presença do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho
Foto: Gilberto Soares/MMA
Foto: Gilberto Soares/MMA

Brasília (08/03/2017) - O Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor) foi lançado nesta terça-feira (07/03) na sede do Ibama, em Brasília. A plataforma controlará a origem da madeira, do carvão e de outros produtos e subprodutos florestais, desde a autorização de exploração até o transporte, armazenamento, industrialização e exportação.

O Sinaflor será fundamental para conter o desmatamento nos biomas brasileiros e, ao mesmo tempo, desenvolver a economia do país. “O modo como foi elaborado e está sendo implementado vai ao encontro dos eixos da nossa gestão: parceria, qualidade técnica e transparência”, disse o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. Segundo ele, os dados referentes à origem florestal serão divulgados sempre que a legislação permitir.

A utilização do Sinaflor pelos estados será obrigatória a partir de janeiro de 2018. Desenvolvido pelo Ibama, o sistema permitirá que toda a gestão florestal seja informatizada. “Desde o plano de manejo até o produto final, haverá uma marcação eletrônica de tudo o que aconteceu”, disse a presidente do Ibama, Suely Araújo. “Isso vai trazer segurança e reduzir o número de fraudes.”

Ao longo do ano, o Ibama oferecerá capacitação aos técnicos das secretarias estaduais de meio ambiente. Em Roraima, o sistema já está em funcionamento e emitiu as primeiras autorizações. “Quando fomos convidados para ser o estado pioneiro, ficamos com medo do desafio. Os técnicos do Ibama passaram um mês em Roraima e isso deu muita segurança, não apenas aos analistas ambientais, mas também ao setor produtivo”, disse o presidente da Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Roraima (Femarh), Rogério Martins.

A implantação do Sinaflor já foi concluída no Maranhão. Rondônia, Acre, Amapá e Amazonas serão os próximos a receber capacitação. Pará, Tocantins e Mato Grosso têm mecanismo próprio que deverá ser integrado ao Sinaflor. As próximas regiões a receber apoio para a implantação do sistema nacional serão Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Segundo Sarney Filho, o Sinaflor ajudará a cumprir as metas assumidas pelo país para frear as mudanças climáticas. “Integrar ferramentas é fundamental, e o Sinaflor é mais do que isso, representa uma ruptura. Mostra que é possível ir para a frente e mover a economia e a sociedade de forma sustentável”, disse Marcelo Furtado, presidente da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, integrada por 150 entidades do setor privado, da sociedade civil e da academia. "Através da transparência da informação, a sociedade civil vai conseguir fiscalizar o que está sendo feito com as florestas do Brasil",  disse o coordenador de certificação florestal do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), Marcos Planello.

A necessidade de um sistema nacional para a gestão florestal no país foi estabelecida pela Lei 12.651/2012. O Sinaflor vai controlar toda a cadeia produtiva da madeira, da origem ao destino final, integrando dados de todos os estados.

 

Assessoria de Comunicação do Ibama
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(61) 3316-1015

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página