Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Notícias 2017 > Ibama inicia operação para destruição controlada de cilindros com gases tóxicos em Santos (SP)
Início do conteúdo da página

Ibama inicia operação para destruição controlada de cilindros com gases tóxicos em Santos (SP)

Publicado: Sexta, 25 de Agosto de 2017, 20h52 | Última atualização em Segunda, 04 de Setembro de 2017, 14h48
Cilindros com gases tóxicos ou explosivos são deslocados para local onde será realizada a destruilção controlada
Foto: Ibama
Foto: Ibama

Brasília (25/08/2017) – Os 115 cilindros com gases tóxicos ou explosivos que estavam armazenados há mais de 20 anos no Porto de Santos chegaram nesta sexta-feira (25/08) ao local definido para a destruição controlada, a 90 km da costa de Santos (SP). Todo o processo deve ser concluído em cerca de um mês, caso as condições climáticas sejam favoráveis. O procedimento será feito de quatro formas: o diborano e o diazometano (explosivos) serão manipulados a distância, por acionamento remoto, e entrarão em combustão espontânea; o silano terá queima controlada; será realizada pirólise para a fosfina; e foi criado um um sistema de lavagem de gás para o cloreto de hidrogênio e o trifluoreto de boro. O tráfego de embarcações está proibido pela Marinha do Brasil num raio de três quilômetros ao redor da balsa que carrega os cilindros.

Após a destruição controlada dos gases, a balsa, as roupas da tripulação e os cilindros serão descontaminados antes do desembarque no porto. “Por medidas ambientais e de segurança os gases serão destruídos em alto-mar, mas o Ibama determinou à Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) que todos os objetos e resíduos têm de voltar para o continente”, informou a coordenadora-geral de Emergências Ambientais do Ibama, Fernanda Pirillo. Os recipientes e os gases que perderão seus efeitos tóxicos serão encaminhados para um local próprio para o descarte de produtos perigosos indicado pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

O Ibama também solicitou à Codesp o estabelecimento de uma sala de Comando Unificado onde as instituições envolvidas (Codesp, Suatrans, Marinha do Brasil, Ibama, Ministério Público Estadual, Cetesb e Defesa Civil) tenham acesso a todas as informações e possam tomar decisões em conjunto. A Codesp também deverá prover os meios de deslocamento em lancha rápida para que os analistas do Ibama possam acompanhar os procedimentos de destruição.

A balsa deixou o Armazém 10 do Porto de Santos na quinta-feira (24/08) pela manhã acompanhada por um navio de apoio à tripulação e viajou a cerca de 6 km/h, para evitar incidentes. Dos 115 cilindros, 15 contêm diborano, 41 estão carregados com silano, 34 com fosfina, 16 com cloreto de hidrogênio, oito com diazometano e um com trifluoreto de boro.

 

Assessoria de Comunicação do Ibama
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(61) 3316-1015

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página